sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Sobre Opostos e/ou A Morte do Girassol

Sentou-se no corredor do quinto andar lendo Eclesiastes "Tudo tem seu tempo e há tempo para todo propósito debaixo do céu. Há tempo de nascer e tempo de morrer. Há tempo de plantar e tempo de colher o que se plantou. Tempo de chorar e tempo de rir. Tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntar pedras. Tempo de prantear e tempo de dançar..." Parou nessa frase. Pensava: "Prantear... palavra engraçada." Ficou com isso na cabeça. Se estava escrito plantar e colher, antônimos... Porque prantear e dançar? Sua cabeça não parava de pensar nisso. Opostos, antônimos. Achou, então, que ela era o antônimo de tudo.

Se tudo tem seu antônimo e ela nunca havia visto o seu... Se achou oposta a tudo. "Tudo não é oposto de nada. Tudo é oposto de mim."Riu sozinha e voltou os olhos pra esquerda. Observou a porta do apartamento de D. Margarida, a vizinha rabugenta. " D. Margarida é o oposto de... de... de flores!" Riu mais uma vez. Segurou os pés sem meias que tocavam o piso do corredor frio. "Frio é oposto de sexo." Tampou a boca, como se alguém a tivesse ouvido falar aquilo. Olhou para os lados para ver se não vinha ninguém e gargalhou.

Ouviu passos de alguém que subia as escadas. Baixou o olhar e ficou apertando a caneta que segurava em sua mão esquerda. Viu Sr. Antônio passar e dizer: "Menina, sai da friagem.Vai pegar uma gripe." Sorriu e disse "Vô, não, seu Antônio... vô não." E acompanhou com os olhos Sr. Antônio desaparecer no fim do corredor, onde a escada começava, logo depois da curva.Continuou com o pensamento dos antônimos. O que seria o contrário de água? "Fogo, claro!... Não, não... fogo não! É... É sal! Água hidrata e sal desidrata." Pensou em como seria regar os girassóis e tulipas com sal, até eles morrerem. Lágrimas caíram de seus olhos. "Não quero que minhas flores morram... não quero."

Ouviu a porta do apartamento se abrir, era sua mãe que havia ido chamá-la pra almoçar. Ela a viu sentada chorando... "Mãe, não quero que minhas flores morram! Vamos colocar água nelas todos os dias, toda hora!". A mãe passou a mão pela sua cabeça e lhe disse baixinho: "As flores têm de morrer, filhinha. Só assim elas dão espaço pra que outras flores nasçam e te façam sorrir. Entende? Elas têm que morrer." Ela entendeu. Entendeu que morte é sinônimo de sorriso. Que pra que ela sorrisse, suas flores precisavam morrer. E entendeu, também, que antes do sorriso as lágrimas aparecem... Mas elas aparecem pra regar sua face e germinar sorrisos.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Eu estava procurando um lugar pra chamar de "lar". Eu não encontrei. Mas ela sim, encontrou. O lar mais bonito, de cor verde-esperança. Um lar que conforta, que acalenta, que abraça, que não deixa doer. Um lar de verdade. Um lar assim: quente, sereno, que jorra bondade. Um lar repleto de móveis novos, bonitos, sem poeira, sem espaço pra móveis velhos e gastos. Um lar limpo, estreito e ao mesmo tempo amplo, calmo, um lar extremamente bem cuidado. Ela encontrou. Eu não.


"Meu coração é o seu lar... E de que adianta tanta mobília se você não está comigo?"
- Tá, você não tá comendo direito, mas e aí? Se alimenta de que?

- De esperanças inexistentes.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Eu vejo suas fotos em festas, eu vejo seu sorriso meio torto, meio bobo e me pergunto se realmente você está feliz. Se esse sorriso não é só mais uma forma de tentar mascarar essa essência triste que sinto você carregando no peito, que sei pelas palavras que você escreve. E sei que eu posso mudar isso. Porque eu me entrego por inteira à você todos os dias, todas as horas, todos os minutos. Eu me entrego e te faço sorrir sempre que sentir que seu sorriso não tem sido real.
Eu sei tudo sobre você, embora você nunca tenha feito menção a me falar sobre você, eu sei. Eu me lembro de todas as palavras que trocamos, de todos os sorrisos que dei de madrugada ao receber uma mensagem sua, inesperada, boba, mas que me fazia o bem maior. Eu sei do que você gosta e eu sei que você sorriu de verdade ao abrir aquele pacote enviado em seu trabalho e que me achou maluca que entendeu o porque daquele livro e que enfim... Eu sei sobre você coisas que você jamais ousou me falar. Eu sei que você teria dias felizes ao meu lado e que eu poderia te fazer o bem maior.
Eu só espero que você queira. Um dia, uma hora. É só querer.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

O teu silêncio na madrugada vem como uma faca no meu pescoço e me dói, me fere, me faz perder o sono e o rumo, o eixo.
O teu silêncio no dia a dia me estrangula com as palavras que se engasgam na garganta e se misturam com o gosto de café, cerveja e o seu gosto, que ainda mora em mim.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

"I could show you incredible things
Magic, madness, heaven, sin..." (Blank Space)

E a cada dia eu acho que ainda tenho muito a te mostrar e que você sorrirá feliz ao saber de tudo que eu posso te oferecer, eu ainda acredito, eu te disse isso. Eu te quero. Ainda. E é muito. E eu sei, sim eu sei, que você gosta de mim, mas não desse jeito que eu gostaria que gostasse. Daí... daí... Meu coração se despedaça e eu morro a cada segundo, a cada palavra, a cada bobeira trocada, a cada confissão que eu jamais faria a ninguém: só a você. Porque? Porque é você! Eu mostraria meus lugares mais escondidos, minhas vontades mais veladas, meus sorrisos mais bonitos. Eu mostraria tudo, eu me desnudaria na sua frente, ficaria ali transparente, aberta, exposta, entregue. Aliás, entregue é a palavra que eu mais usei com você: eu estou entregue. E não sei (e será que quero?) sair disso. E continuo aqui: entregue. Esperando o que já não tem esperanças. Mas continuo aqui.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Por vezes eu me pego pensando "eu nunca deveria ter ido naquela festa!". Me culpando por ter te conhecido.
Mas não passa disso. Porque não sei o que seria de mim sem esse frio na barriga que sinto diariamente ao te dar bom dia em suspiros sozinha. Não sei o que seria de mim sem ter conhecido o gosto do seu beijo e o toque das suas mãos. Eu só não sei o que seria de mim hoje, se não tivesse te olhado dentro dos olhos e ouvido sua voz nos meus ouvidos. E eu não quero saber. Porque eu mudei e melhorei depois de você, eu me abri depois de você, eu sorri e chorei e me senti viva depois de você.
Termino sempre com o pensamento de que "que bom que eu fui naquela festa!". Que bom! Que te conheci, que te vi, que te sorri e que me senti viva. Que bom!

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Te fiz imortal nas minhas palavras e desejos. Te fiz voz nos meus sorrisos e nas súplicas. Te faço cor nos dias doídos. te faço sonho todos os dias.. Te retrato em meu olhar e te sorrio em minha vida. Te carrego comigo onde vou, te desejo boa  noite em silêncio, quase como uma oração, imaginando que chegará em seus ouvidos. Te trago pra perto de mim nos sonhos, te faço parte do meu dia. Te sigo com o olhar, te desejo com minha pele arrepiada. Te sinto perto, te sei longe. Te faço amor todos os dias. Te transformo na canção mais bonita. Te sei começo, meio. E te sei fim..

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Vem aqui.



Me pega pela nuca, me vira do avesso, me molha por
inteira. Puxa meu cabelo, lambe minha orelha, me cala com
seus beijos.

Vem aqui. Tira o meu juízo, tira minha roupa, morde meu
pescoço. Sussurra no ouvido, arrepia minha espinha, segura
os meus seios.
Vem aqui. Muda o meu rumo, estremece minhas pernas, me faça
ser só sua. Lambuza minha alma, aperta minhas coxas e me faça
gemido.

Vem aqui.
Tira minha camisa, tira minha calcinha, me tira do sério.
Lambe minhas pernas, passeia seus dedos em mim, me faz toda arrepio.

Vem.

Sabe aquilo que nem chegou a ser, mas que foi o mundo, o eterno, o infinito?
Sabe os sorrisos que foram aos poucos findando e transformando-se em lágrimas, em caos, em bagunça?
Sabe o sentimento sempre guardado, quase nunca falado e elucidado pelo medo da verdade?
Sabe a saudade do pouco, do louco, do insano constante naqueles beijos?
Sabe um coração pulsando na vibração certa, pra pessoa certa, mas na hora errada?
Sabe?
Eu sei.

terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

H- Ela foi embora e eu disse que iria esperar, porque eu a amava. Isso eu percebi quando ela disse que era muito tarde. Mas aí eu disse que a amava e que iria esperar, então estou aqui e agora tenho que ficar até ela não vir para sempre, ou até ela chegar.

M- Mas e se ela ama outro?

H- O que isso tem a ver? Eu disse que a amava e isso não é algo que se anule. Não há como dizer, olha eu disse que te amava, mas agora, sei lá, o vento parou de soprar naquela direção e eu fui embora. Isso não existe, eu disse que a amava e agora tenho que ficar aqui, até que ela não venha para sempre ou até que precise de mim. 

(Pé na Estrada - Paula Chagas)
Ah! Se você lesse tudo que já escrevi focando no seu coração, talvez não me deixasse viver isso sozinha, talvez me abraçasse e viesse viver tudo isso comigo. Talvez me olhasse nos olhos e em vez de agradecer e sorrir, dissesse: "eu vou agora". Talvez me sorrisse mais vezes e focasse seu olhar no meu e dissesse que me quer e que tá pronta pra me dar a mão. Talvez não fossem apenas palavras escritas, talvez fossem sussurradas ao pé do seu ouvido e te fizessem acreditar que pode ser.
Mas é tanto talvez que as certezas vão ficando escassas e o coração vai ficando apertado e o medo do não ser fica absurdo.


Para ler ouvindo:

https://www.youtube.com/watch?v=_KpeCk6NyZU

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Tua voz tem sido inspiração: te ouvir nos meus pensamentos me faz desmanchar em sorrisos.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Hoje eu só queria estar por perto e te dizer tudo que ainda anda engasgado e te sorrir e fazer desse dia de chuva um dia de cor porque eu posso te mostrar que mesmo na chuva tem cor. Hoje eu só quera segurar sua mão e te levar no lugar mais bonito e te mostrar todos os sorrisos e te fazer perder o fôlego enquanto sou eu quem vai falando sobre tudo que sinto e tudo que você ainda não ouviu e tudo que ainda não consegui falar. Hoje mais do que qualquer dia, eu queria te mostrar tudo que sou e te dizer amenidades e depois falar sério e te ver virar sorriso ao meu lado e finalmente poder te sussurrar "boa noite" ao pé do ouvido enquanto te observo adormecer ao meu lado e acariciar os seus cabelos e desejar que seja sempre hoje.