quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Por tras dessa carcaça que faz piada, que gargalha, que enche a cara, que se arruma, que assiste a programas bagaceiros, que tenta agradar, que pinta as unhas, que parece despreocupada tem uma pessoa te olhando e te pedindo com o olhar: "moça, me dá a mão e segue comigo?"

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Tem você a me olhar.
Tende tudo a melhorar.



quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Perdurar

v.t.d e v.i. Que possui grande durabilidade; que dura muito tempo; persistir: a sensação de humilhação pode perdurar por muitos anos.
v.i. Guardar na memória; manter como recordação: perfume que perdura.
(Etm. do latim: perdurare)

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Quarto de paredes verdes. Um sorriso no canto da boca, como se dissesse algo que há tempos não dizia. A porta trancada, não quer que ninguém ouça suas gargalhadas. Seus dedos seguram levemente uma caneta e ela vai deslizando palavras pela folha branca, numa dança-poesia, numa música-sem-melodia.
O dia lá fora tem sol. O peito lá dentro tem cor.
A cama, com lençóis azuis e pijama da Branca de Neve jogado, bagunçada ainda de quando ela acordou daquele sonho com aquele sorriso daquela pessoa daquele encontro. O rádio repetindo a mesma música. Um looping infinito de palavras e sentimentos que ela queria dizer e que acha cedo, mas tem medo de ficar tarde demais.
Ela se leva a sério.Ela leva a sério ser feliz. Ela tem pressa. Mas ela segura.
Um passo desliza pela sua perna e ela começa a dançar pelo chão de piso frio, descalça. Sente um arrepio parecido com o que sente quando lembra dos lábios tocando aqueles outr..."Aaaaaaah, aqueles lábios!", ela pensa quase num pensamento que grita pelos poros e que extravasa toda a saudade que sente, saudade que pede a presença, saudade que chora a ausência.
Destranca a porta do quarto. Sorri meio desajeitada pro pai e pra mãe que estão na sala vendo TV, ela sorri pros cachorros que a esperam na porta do quarto, pro quadro pendurado na parede, pro sol que resolveu sair lá fora, pras plantas que precisam ser regadas. Ela sorri.

domingo, 19 de outubro de 2014

Te observo pelas frestas que crio na minha mente. Te sigo pelo pouco que me mostrou.
Não compreendo muitas coisas. Sinto faltas e vazios e sorrisos e alegrias. Tudo ao mesmo tempo.
Te descrevo com as pontas dos meus dedos. Sigo seus passos com minha imaginação.
Desenho seus cabelos numa aquarela louca na memória para que não me esqueça como são.
Sorrio seus sorrisos. Sonho meus sonhos.
Te desejo, te espero, te procuro em cada pedaço de pessoa no metrô, nas passagens, nas ruas.
Te encontro quando fecho os olhos e retorno aos seus braços,
Te perco. Te acho. Te encaixo em minha vida.
E te peço: vem.

sábado, 18 de outubro de 2014

Meu suco preferido é o de melancia, gosto de dormir de pijama e não com roupas velhas, como temaki sem arroz, passaria o resto da vida comendo só palmito, minha cor favorita é roxo, meu aniversário é em agosto, adoro karaokê, tenho dor de cabeça no dia seguinte de alguma bebedeira, escrevo textos bobos no meio do dia, amo o local em que eu trabalho, sinto falta da minha infância, sou chorona, adoro abraços e sorrisos, tenho sonhos e metas pra realizar nos próximos anos, sou desencanada com minhas roupas, tenho mais tênis do que roupas, usei scarpin durante muito tempo pra ir à balada, sou viciada em redes sociais, parei de fumar por sua causa... Talvez você nunca saiba metade dessas coisas sobre mim. Talvez você nem se interesse em saber. Mas se quiser, me abro e te recebo. E traz palmito, por favor?

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Sobre fazer a diferença:
Você, eu.
Tem feito... Toda a diferença nesses dias cinzas, nessa vida cinza.
Tem colorido, tem sido bonito.
Me sinto viva, me sinto sonho, me sinto leve, me sinto.... sua.
Como não me sentir assim depois de tantas palavras e promessas trocadas? Depois de tantos sorrisos outrora sem cor, agora rosa-lilás-roxo-amor?

Eu sorrio. E flutuo. E me deixo.

terça-feira, 7 de outubro de 2014

https://www.youtube.com/watch?v=GAJiphRVyhw

Começa assim. Lembra?
Meio que do nada, meio que sem prévio aviso, meio que como uma rasteira... Seus pés pisaram nos meus e em vez de fixarem os meus no chão, apenas os fizeram flutuar. Você me fez sentir de novo. Você me faz sorrir nas horas mais improváveis.
Seu sorriso no meu. A piscada que você dá depois de cada beijo. As expectativas tão, tão correspondidas. A pontualidade que você chegou na minha vida.
A intensidade e o profundo mergulho que dei em seus sorrisos. A sua voz grave me falando coisas inimagináveis em tão pouco tempo.
Eu não quero ir embora de você. E não quero que você vá de mim. Mas pode ser que aconteça. E se acontecer, te digo: obrigada por ter aparecido agora, quando eu menos esperava. Obrigada por me tirar os pés do chão. Obrigada pelos sorrisos nas horas mais cinzas do meu dia.