terça-feira, 30 de setembro de 2014

A menina acordou...

... mas ela não queria. Alguma coisa dentro dela havia pedido a deus, jah, buda, qualquer força superior que a matasse durante a noite. Pediu pra ser morta. Ela queria. Não queria levantar. Mas ela acordou. E então desejou que tomasse um choque enquanto tomava banho e que morresse ali. Mas nada aconteceu. Desejou então ser atropelada ao ir trabalhar. Nada. Um assalto no ônibus, um tiro na cabeça e fim, seria isso... Mas não. Chegou ao trabalho viva. E essa era a parte mais difícil, lidar com essa dor toda estando viva, quando na verdade, ela gostaria de ter morrido. Morrido antes de toda essa dor acontecer, morrido antes de tanta vida. Ela não está se sentindo bem, todos notam. Mas ninguém, ninguém sabe que o desejo dela é ser levada embora, ser jogada do terceiro andar e nunca, nunca mais ter que passar por dor nenhuma,

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

E quando faltam as palavras, releio esse texto:

http://www.elenafilme.com/elena-recomenda/a-carta-por-pablo-villaca/