quarta-feira, 4 de junho de 2014

"O meu tempo é quando"

Se não fossem as surpresas, a graça da vida estaria perdida. Como encarar o óbvio? Como achar que tudo bem ser todo mundo igual? As pessoas nos surpreendem e decepcionam com a mesma intensidade.
Parte do dia tem sido de surpreender-me com novos sentimentos, com novas palavras, com um novo jeito de pensar. O inesperado tomou conta do meu sorriso, que estica vez ou outra por uma piada boba, mas que não tem mais cor. O surpreendente, que parecia impossível, acaba determinando novos rumos: e eu os sigo! Sigo num novo ciclo e num recomeço de mim. Num reconhecer-me estranho. Sinto meu corpo mudar, minha voz mudar, minhas ações se encerrarem. Brindo o novo e despeço-me do antigo. 
A boca emudece, os olhos transbordam, mas assim mesmo, eu sigo! Em rumo do inesperado, do acaso, das novas surpresas que a vida me reserva. Sigo em frente, ando em linha reta buscando novos e tortos caminhos, mas eu ando e vou. Não sei pra onde, não sei por onde... Mas vou.