terça-feira, 20 de maio de 2014

Olhar-te nos olhos e possuir-te nos pensamentos. Saber-te livre e querer-te assim. Em meu novo mundo onde sussurro em meu próprio ouvido palavras que deveria soprar nos seus, me sinto perdida quando não posso ver-te.
Tua voz percorre todos os meus pelos, arrepia-me a alma e me move, faz-me caminhar. Procuro sentir-te nos segundos em que ficas por perto. Procuro abrigar-me em seus ombros, braços, seios. Estendo-me no chão e faço menção para que sigas, sabendo que meu estranho pensar, implora-te que fiques.

terça-feira, 13 de maio de 2014

Cortes nos dedos.
Cortes na alma.
O que dói mais? A dor física, que lateja e não me deixa sequer digitar direito ou a dor da alma, que me faz repensar em tudo que ando fazendo/sendo/querendo?
O dia tem sol. Aqui dentro, não.
O dia promete. Eu já não me prometo nada.


terça-feira, 6 de maio de 2014

Sigo serena, tranquila.
Meus passos flutuam no espaço e quase me esqueço do que fui.
Há ainda dor. Há ainda amor.
Mas há também uma vontade de viver, de respirar, de me conhecer, sem me sufocar.
Há uma saudade, há cor.

E há amor. Mais do que nunca.... Amor por mim, pelo que sou.
Há amor.