sexta-feira, 16 de maio de 2008

El Sueño Del Caracol


Eu assisti. De novo e de novo e de novo. Já não sei quantas foram as vezes que eu assisti. Não lembro. Mas toda vez que vejo, é uma sensação nova, diferente. Me toca de uma forma que não consigo explicar aqui, em palavras. Me é doce.
Lembro do dia em que o René me mandou o link. E do quanto eu fiquei tocada com esse curta. Talvez, nem fizesse tanto sentido assim na época. Mas hoje, hoje que o medo da perda é imenso, faz sentido gigante.
E enquanto eu assistia, eu esperava Godot. E então, o René (o mesmo que me apresentou ao 'sueño') disse que um menino havia passado e dito que o Godot não vem mais. O menino dizia que ele só vem amanhã.
E onde é que está esse amanhã que nunca chega?
E porque esse dia que é hoje, nunca acaba pra chegar o amanhã?
E se Godot não vier mesmo... Será que alguém vem?
Nem que seja em forma de mensagens em capas de livro. Mas alguém... Um dia... Ainda vem?

"Eu vou esperar. Eu disse que a amava e isso não é algo que se anule."
(Paula Chagas - Pé Na Estrada)

Um comentário:

René Piazentin disse...

Lembranças daquele futuro imaginado.
Algo como o sonho de um caracol ou a espera pelo Godot.
Infelizmente ou não, esperar às vezes não é uma escolha.
Eu sei que você entende.