quinta-feira, 29 de maio de 2008


É que ela tinha inventado tanta coisa na cabeça dela, no mundo colorido dela, que ela precisava se desculpar pra si mesma por ter criado tanta história que não deveria ter inventado e que nem queria ter inventado. Porque, pra ela mesma, eram apenas desculpas pra fugir daquilo que gritava dentro dela e que ela queria calar, não por medo, mas por falta dele. Porque a coragem, às vezes, nos faz fazer coisas que não faríamos se tivéssemos um pouco de medo e esperássemos mais um pouco. Era isso que ela pensava, ela devia esperar mais um pouco, mas ela já estava tão encorajada, que já havia feito e dito tudo de todas as formas possíveis que nem ela mesma se desculpava por ter inventado aquilo tudo. A imaginação dela era tão forte que de repente seus cadernos tornavam-se verdadeiros livros de contos e ela fazia castelos e fadas e bruxas e escorpiões que ferroavam amor nas pessoas e tudo era lindo, lindo. Mas era tudo tão inventado... E ela via que a realidade ao seu redor era tão... cinza. E escorria uma única lágrima do seu olho esquerdo. Ela achava esquisito porque ela nem era canhota. Mas seu olho, sempre, o primeiro a chorar era o esquerdo.

quarta-feira, 28 de maio de 2008

2.5 (Manoel de Barros)

Ando muito completo de vazios.
Meu órgão de morrer me predomina.
Estou sem eternidades.
Não posso mais saber quando amanheço ontem
.Está rengo de mim o amanhecer.
Ouço o tamanho oblíquo de uma folha.
Atrás do ocaso fervem os insetos.
Enfiei o que pude dentro de um grilo o meu destino.
Essas coisas me mudam para cisco.
A minha independência tem algemas.


Eu gosto desse poema.
Não tem muito a ver com 'meu momento'. Mas tem a ver com... com os dois ponto cinco que eu tanto amo.

segunda-feira, 26 de maio de 2008

Eu desconfio...


...que algo em mim mudou nesse feriado. O bichinho verde que crio dentro de mim voltou a se manifestar. E eu? Eu adoro!


segunda-feira, 19 de maio de 2008

Pernas pra que te quero

Eu sempre pensei que a fuga era a única e/ou melhor saída. Sempre. Nada se passava aqui na cabeça senão fugir e fugir cada vez mais.Mas não consigo. Não consigo por tudo o que você me fez e faz sentir. Pra que fugir disso? Pra evitar o que? Mais sofrimento? Sofrimento maior seria eu fugir de você e consequentemente de mim. Talvez fosse o maior erro.E é por isso que vou enfrentar. Não te enfrentar, mas enfrentar esse medo que passa pelas veias no meio do meu sangue que já não é tão quente com essa sua ausência.Porque você continua me visitando todas as noites e eu te beijo, te afago, te dou o carinho que sei que você precisa. E é por isso que quero seus olhos nos meus. Pra poder te dizer que é você quem me faz seguir e sorrir e não querer mais fugir.


"Venha quando quiser, ligue, chame, escreva - tem espaço na casa e no coração, só não se perca de mim"
(Caio F. Abreu)

domingo, 18 de maio de 2008

"Teu sorriso eu vou deixar na estante pra eu ter um dia melhor"

Porque eu vi teu sorriso acontecer de perto tantas e tantas vezes.
E se somente ficar na lembrança, eu me alegro porque me permiti ver-te sorrir.
Não sei se conseguiria passar a vida sem saber qual o som do teu sorriso.

"Requiem For a Dream"


Eu tenho assistido a muitas coisas ultimamente. Não sei se é porque m privei durante dois anos desse prazer, por motivos maiores, ou pra tentar esquecer algumas coisas que andam me atormentando. E assisti ontem a esse filme. E tomei um soco tão grande no estõmago que mal conseguia comer a pizza que estava no meu colo.
Forte. Exagerado, segundo meu pai, mas direto no ponto. Vai e cutuca fundo o mundo, sub-mundo, ou como quiserem chamar. Os vícios, os prazeres, os encontros. Até chegar na perda. A perda do que é importante e essencial pra viver.
Bonito, bonito... Uma facada. E uma facada é bonita quando? Quando a gente precisa dela pra seguir.

sexta-feira, 16 de maio de 2008

El Sueño Del Caracol


Eu assisti. De novo e de novo e de novo. Já não sei quantas foram as vezes que eu assisti. Não lembro. Mas toda vez que vejo, é uma sensação nova, diferente. Me toca de uma forma que não consigo explicar aqui, em palavras. Me é doce.
Lembro do dia em que o René me mandou o link. E do quanto eu fiquei tocada com esse curta. Talvez, nem fizesse tanto sentido assim na época. Mas hoje, hoje que o medo da perda é imenso, faz sentido gigante.
E enquanto eu assistia, eu esperava Godot. E então, o René (o mesmo que me apresentou ao 'sueño') disse que um menino havia passado e dito que o Godot não vem mais. O menino dizia que ele só vem amanhã.
E onde é que está esse amanhã que nunca chega?
E porque esse dia que é hoje, nunca acaba pra chegar o amanhã?
E se Godot não vier mesmo... Será que alguém vem?
Nem que seja em forma de mensagens em capas de livro. Mas alguém... Um dia... Ainda vem?

"Eu vou esperar. Eu disse que a amava e isso não é algo que se anule."
(Paula Chagas - Pé Na Estrada)

quinta-feira, 15 de maio de 2008

Da massagem.

E aquela massagem que me fez em sonho... Tem como se tornar real?




*Porque as noites de sono com ela, são sempre mais bonitas. Mesmo que sua presença não seja física.*

quarta-feira, 14 de maio de 2008

...

Conhece-me? Profundamente?
Acho que não e nem acredito que deva.
Eu não me conheço ainda. E nem quero.
Eu quero é conhecer paisagens, suspiros, sussurros.
Conhecer lugares, árvores, parques.
Conhecer o que me faça sentido.
Porque eu não faço mais sentido nenhum.

terça-feira, 13 de maio de 2008



Lembra quando eu te disse que tinha medo de ficar sem falar com você?
Pois é.
O medo aumenta a cada dia.
Eu não consigo entender como é que eu mesma tirei de mim a parte que eu mais gostava.E te perder só me faz querer sair correndo daqui, de mim.
Porque essa é a única vez que eu tenho vontade de que o ciclo volte, de que ele não tenha se fechado, mas é também, a única vez que imagino que não vai voltar.
Teus beijos, teu toque, teu sorriso me foram doces. Tão doces que fazem os olhos escorrerem ao lembrar de tudo e não poder fazer nada.
E, de mãos atadas, algemadas, de voz muda, com dor de cabeça, eu te peço: não me deixe só. O escuro me faz mal, as fantasias me fazem mal... E eu não quero uma realidade inventada, não agora. Eu quero a alegria de sorrir sabendo que subir na pedra mais alta fez sentido. Pelo menos isso...
A vingança, hoje, é a vida não voltar nem um dia, nem uma semana, nem nada.

segunda-feira, 12 de maio de 2008

retorno

E volto sem fazer alarde, sem explicar a ninguém, sem nem tentar te dizer que é pra você que tento voltar.
Volto, deixando marcar uma Apoena em mim, em você, em nós...

Mariana
lambeu as lágrimas que escorriam,
manchando a língua de tristezas.
Quando o vazio é muito grande,
as lágrimas são transparentes.




Até quando eu criar coragem e quiser gritar, mesmo que a voz emudeça.